Governança de crise: como decidir em meio ao cenário do coronavírus?

Há meios, simples e eficazes, de conduzir a empresa pelas águas turbulentas da crise


Em dezembro de 2019, autoridades sanitárias chinesas identificaram uma doença respiratória em trabalhadores de um mercado de alimentos de Wuhan, capital da província de Hubei. Detectou-se que a doença era causada por um tipo ainda não conhecido de coronavírus, denominado SARS-CoV-2, que provoca uma doença respiratória, chamada de Covid-19. A doença se disseminou rapidamente e atingiu mais de 100 países, dos cinco continentes. A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a Covid-19 pandemia, em 11 de março de 2020.

O primeiro caso de Covid-19 no Brasil foi registrado em 26 de fevereiro, em um paciente que esteve na Itália, e que testou positivo para o vírus no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Novos casos vêm surgindo a cada dia e a gravidade dos impactos para a população e o sistema de saúde são desconhecidos, embora as projeções sejam alarmantes. Os brasileiros estão atônitos, assistindo autoridades públicas atuarem como "autoridades que brigam em público", o que só agrava o cenário de incertezas.

Além da dimensão humana, que ainda não chegou no seu patamar mais elevado por aqui, os efeitos da Covid-19 para a economia já são sentidos. Resultam não só da efetiva contaminação de pessoas mas, majoritariamente, das medidas de prevenção ao alastramento do vírus - imprescindíveis, e que vêm se avolumando em diversas normas jurídicas, desde medidas isoladas a decretos de emergência, nas três esferas de poder.

O Brasil é um país que passou por diversas crises econômicas, mas que há muitas gerações não enfrenta situações sociais extremas, como guerras ou epidemias. Mais: a atual pandemia assumiu proporções jamais registradas na história mundial. Não pela doença em si, mas pelo shutdown econômico.

Enquanto nossas lideranças acrescentam tempero à crise, ao gestor empresarial é dado decidir. Mas como? Estruturando a governança de crise em dois passos: (1) criando um Comitê de Crise e (2) elaborando um Plano de Contingência (PC), que servirá como mapa de navegação, e permitirá, ao final (porque ele vai chegar), que todos os esforços em busca do menor estrago tenham acontecido.

Acompanhe nossos posts nos próximos dias porque vamos dar a nossa contribuição e elaborar uma sugestão de roteiro para a botar em marcha essas duas etapas da governança de crise na sua empresa. Estamos oferecendo nossa técnica e nossa experiência, numa linguagem simples e objetiva, reunindo algumas recomendações e um passo a passo. Fique atento.

VOLTAR
  • Facebook
  • Telegram