Recuperação Extrajudicial é eficiente para crises de menor gravidade

Criada por lei em 2005, a recuperação fora dos limites judiciais tem se apresentado como solução que tende a ser mais rápida, mais eficaz e menos dispendiosa para empresas que enfrentam os efeitos da crise.


De acordo com estimativa da Boa Vista SCPC, o número de títulos protestados em nome de empresas no país cresceu mais de 10% no acumulado do ano até outubro. A região sudeste do país é a que tem o pior desempenho, acumulando quase 20% no número de empresas inadimplentes. A consultora em direito empresarial, Juliana Biolchi, orienta empresários a reconhecerem os efeitos da crise em tempo de salvar o empreendimento sem a necessidade de recorrer a Recuperação Judicial. "Se identificada a tempo, a crise empresarial pode ser contornada com medidas extrajudiciais, começando por uma análise profunda dos indicadores que mostram a origem e a extensão dos problemas", explica a especialista.

Juliana salienta que através do estudo do fluxo de caixa projetado e do mapa do endividamento o empresário pode organizar as prioridades e elaborar estratégias eficazes para conquistar melhores resultados. "De forma extrajudicial, entendendo a origem do passivo, a empresa pode negociar individualmente com credores e homologar ou não o acordo na justiça. O importante é que com isso, preserva sua capacidade produtiva e pode, em alguns casos, buscar investimentos", destaca.

Como a Recuperação Extrajudicial é uma medida predominantemente administrativa, depende de menos burocracia e tem menos custos, se comparada a um processo de Recuperação Judicial. Em muitos casos o processo judicial é até mesmo dispensável. Noutros, é importante para impor a credores dissidentes a vontade majoritária (3/5). Mesmo que não contemple renegociação de dívidas tributárias, trabalhistas e outras dívidas (que também estão excluídas da RJ, como é o caso das garantidas por alienação fiduciária),a Recuperação Extrajudicial vem mostrando eficácia no objetivo de previr um maior impacto da crise sobre pequenas, médias e grandes empresas no país.

Questionada sobre o principal benefício do processo de recuperação extrajudicial, Alessandra Amaral, advogada da Biolchi Consultoria Jurídica S/S assegura que "A Recuperação Extrajudicial performa melhor porque é mais barata e ágil. Baixo custo e rapidez são tudo o que uma empresa com dificuldades precisa para ter resultados precisos e consistentes no enfrentamento de dificuldades".

A recuperação extrajudicial dá noção exata do impacto de cada ação e gera informação de forma estratégica para melhorar a saúde financeira da empresa, que não precisa, primeiro, ter dívidas acumuladas. Ela pode projetar, a partir do fluxo de caixa, saídas futuras, de curto e médio prazo. As especialistas evidenciam, ainda, que como estamos antevendo uma retomada econômica em 2017/2018, este pode ser o caminho para assegurar alguma tranquilidade nos meses que virão, dando suporte para a virada.


Tags: crise recuperação extrajudicial planejamento

VOLTAR
  • Facebook
  • Telegram